A Black Friday realmente veio para ficar! O evento de vendas chegou ao Brasil em 2010 e, desde então, o número de lojas que participam da data vem crescendo cada vez mais, principalmente no online.

Inclusive, em 2020, as vendas online dominaram a BF e bateram recorde. De acordo com a consultoria Ebit|Nielsen, o e-commerce movimentou R$ 3,1 bi apenas no dia 27 de novembro, um aumento de 24,8% em relação à mesma data do ano anterior.

Diante da proporção que a Black Friday ganhou no mercado, deixar de participar não chega nem a ser mais uma opção para qualquer empreendedor(a). Muito pelo contrário: a ideia é começar a se organizar o quanto antes para garantir as melhores estratégias e vender cada vez mais.

Pensando nisso, nosso gestor de tráfego, Gabriel Klingelfus, separou 10 Estratégias de marketing, com foco na Black Friday, para você sair na frente e já começar a colocar em prática no seu e-commerce.

1. Avalie a BF do ano anterior

Alguns indicadores que você precisa prestar atenção:

Sim, pode até parecer algo óbvio, mas é essa primeira estratégia que vai te dar base para colocar em prática todas as outras. Comece analisando o que aconteceu no seu site durante o período da Black Friday do ano passado por meio do Google Analytics.

– Gênero: qual foi o gênero que mais acessou seu site? Público masculino ou feminino? Qual teve mais conclusão de compra?

– Idade: qual faixa etária trouxe mais tráfego para o seu site? Qual a idade das pessoas que mais interagiram?

– Local: quais foram as regiões mais relevantes para o seu negócio?

– Dispositivos: seu site tem mais acesso por mobile ou desktop? IOS ou Android? Saber isso é importante para oferecer a melhor experiência de compra para o usuário.

– Dias e horários: todo site tem dias e horários específicos com mais tráfego e mais vendas. Explore isso!

DICA EXTRA: Se você não participou da BF em 2020 ou não tem esses dados por algum outro motivo, não tem problema! Nesse caso, a dica é avaliar o tráfego dos últimos meses desse ano mesmo.

O Google Ads e o Facebook Ads também são ótimos para você analisar os dados das suas campanhas. Confira informações como: investimento, públicos, cliques, CPC, vendas, ROAS e CTR de públicos e anúncios.

Para completar a avaliação do seu site, consulte os resultados do ERP e da plataforma da sua empresa para ver o que pode ser melhorado, o que deu certo e também para conseguir novos insights. Preste muita atenção nos dados de trocas e devoluções (produtos e regiões), estoque de produtos, compras por faixa etária e compras por região.

2. Esquenta Black Friday

Os 15 dias que antecedem a Black Friday contam com um aumento considerável no tráfego. Essa informação revela um comportamento muito interessante por parte dos consumidores: eles estão cada vez mais atentos às promoções que antecedem a data. 

Segundo o SEMrush, a pesquisa por “esquenta Black Friday” aumentou 146% nas semanas anteriores à BF de 2020. Diante do novo comportamento dos usuários, essa é uma grande oportunidade para as marcas aproveitarem e oferecerem promoções atrativas antes mesmo do dia do evento.

3. Aqueça sua lista de e-mail

Como consumidor, já pensou o quanto pode ser chato começar a receber e-mails de uma marca apenas da semana da Black Friday e ainda te empurrando produto atrás de produto? Apesar de parecer óbvio o quanto uma estratégia assim pode dar errado, muitas empresas cometem esse erro.

Por isso, anteceda a sua estratégia de e-mail marketing! Alguns pontos muito importantes para levar em consideração:

– Conheça a sua base de e-mails (Qual o perfil das pessoas que vão receber suas campanhas?)

– Segmente esse público (trabalhe conteúdos e ofertas de forma segmentada, seja por gênero, interesse, etc.)

– Prepare os públicos quentes para o “Esquenta Black Friday” (separe as pessoas que já interagiram com a sua empresa das demais e envie campanhas do esquenta para elas)

– Aqueça a segmentação de públicos frios (já que são pessoas que nunca interagiram com você, não deixe para mandar e-mail apenas na semana da BF, pois as chances delas não abrirem são grandes. Comece já a trabalhar essa lista!)

4. Mídias Pagas

Quando falamos de mídias pagas, muitas empresas começam a fazer campanhas só quando novembro chega ou até mesmo na própria semana da Black Friday. Esse com certeza não é o melhor caminho, já que, além de todo mundo estar anunciando nesse período, há ainda a mega verba que as marcas destinam exclusivamente para a BF, fazendo com que o custo por clique aumente. Sendo assim, você estará competindo com isso tudo ao mesmo tempo!

Aqui, o velho clichê “não deixe pra amanhã aquilo que você pode começar hoje” se encaixa perfeitamente. Se você deixar para começar de última hora, não vai dar tempo de testar as possibilidades e encontrar quais são efetivas. Por isso, comece já a trabalhar com as mídias pagas, seja com qual valor de investimento você tiver.

Iniciando os testes agora, será possível entender qual plataforma tem mais a ver com a sua empresa (Facebook, Instagram, Google, etc.) e quais tipos de públicos funcionam melhor. Assim, você vai chegar na Black Friday sabendo exatamente onde investir para ter um bom retorno. 

5. Explore o remarketing

Essa é uma estratégia que muitas pessoas não sabem como trabalhar ou até mesmo não conhecem, mas que pode fazer uma grande diferença no resultado de tráfego pago do seu negócio!

Aqui, o principal foco é investir no público quente, ou seja, aquelas pessoas que já conhecem a sua empresa e já tiveram algum tipo de interação. Confira algumas ideias!

Envolvidos com suas redes: trabalhe com aquelas pessoas que acompanham a marca nas redes sociais. Se elas seguem a página, é por algum motivo em comum entre vocês, então explore isso.

Não se esqueça dos visitantes: há muitas possibilidades do que fazer com as pessoas que visitaram o seu site, como trabalhar o público visitante dos últimos 30, 60 ou 90 dias. Mas fique atento(a) ao tempo! Não deixe para começar muito tarde, porque o público vai esfriar, então, quanto antes você começar a explorar, mais aquecido ele vai estar e maior as chances de conversão.

Atenção com a recompra: você pode e deve trabalhar com as pessoas que já fizeram alguma compra no seu site. Comece a nutrir e aquecer esse público de acordo com o seu produto/serviço. Por exemplo, se você vende produtos de beleza, não faz sentido oferecer novamente para quem acabou de comprar, já que o produto ainda vai demorar para acabar e a pessoa não tem necessidade de comprá-lo novamente naquele momento. Porém, alguém que comprou há 3 meses, pode estar precisando recomprar quando a Black Friday chegar, então preste atenção nisso!

6. Influenciadores

Você sabia que o Brasil é o segundo país que mais passa tempo nas redes sociais? Isso quer dizer que o brasileiro consome muito conteúdo nas plataformas, seja por meio de influenciadores, marcas ou veículos de comunicação. Para ter uma melhor dimensão da cena atual, dá uma olhada nesses números.

– 130 milhões de brasileiros no Facebook (atualmente, a Redes Social mais usada no país);

– 127 milhões de brasileiros no Youtube;

– 110 milhões de brasileiros no Instagram.

Ou seja, é muita gente para alcançar! Por isso, para fazer a estratégia com influenciadores dar certo, é preciso primeiro encontrar o profissional que tem a ver com a sua marca. Não faça sua escolha baseada apenas em número de seguidores: é preciso saber se o influenciador se comunica com o público-alvo da sua empresa e se o conteúdo que ele produz tem ligação com o que você vende.

Muitas vezes, é mais interessante trabalhar com um criador de conteúdo que tenha menos seguidores, mas que tenha mais relevância e mais engajamento dentro do público dele. Pense nisso!

Outro fator importante é respeitar a liberdade criativa do influenciador. Se ele tem milhares de seguidores que o acompanham, é que aquelas pessoas já se identificam com o trabalho dele e a forma que isso é feito.

Então, não adianta contratar o profissional se for para moldá-lo no sentido de como falar, o que falar, como produzir o conteúdo, etc. As chances do público não se identificar com a publicidade são muito grandes e isso só vai trazer frustração (e prejuízo).

Dica extra: se você pensa em investir nessa estratégia, comece antes da sua concorrência, pois pode ser que ela se antecipe e contrate aquele influenciador que você estava de olho.

7. Lista VIP

Valorizar os clientes fiéis da sua marca, faz toda a diferença! A lista VIP surge justamente para reunir essas pessoas em um único grupo para que você possa trabalhá-las de maneira diferenciada. Então, identifique agora mesmo quem são seus clientes fiéis e comece a aquecê-los!

Que tal preparar um esquenta Black Friday apenas para esse público? Ou então ofertas exclusivas na própria BF? Talvez um cupom de desconto ou um brinde? Veja o que é possível de ser feito de acordo com  a sua realidade e aposte nessa valorização da lista VIP.

8. Não se limite nas redes sociais

Essa estratégia é uma tendência para o futuro: fuja do básico, ou seja, não se limite apenas ao Facebook e Instagram. Há cada vez mais novas redes sociais surgindo e é preciso ficar de olho nisso.

Atualmente, há cerca de 7 milhões de brasileiro no Tik Tok. O número pode parecer baixo quando comparado aos do Facebook e Instagram, porém, o público do Tik Tok é extremamente engajado e 90% deles acessam a rede diariamente.

Além disso, a empresa vai lançar um fundo de investimento de US$ 200 milhões para influenciadores e marcas, o que traz uma projeção de crescimento muito grande, tanto em usuários quanto em marcas presentes na rede. Por isso, não deixe para entrar e investir no Tik Tok quando já estiver saturado.

O Pinterest também é outra rede social para ficar de olho. Recentemente, ele lançou sua plataforma de anúncios para as empresas realizarem campanhas dentro da ferramenta. Essa é uma novidade que vem para incentivar as marcas a entrarem cada vez mais na rede.

Hoje, o Pinterest conta com 46 milhões de brasileiros e o perfil principal é de 18 a 34 anos. Caso o público do seu negócio esteja dentro dessa faixa etária, pode ser muito interessante estar presente na plataforma, já que 80% dos brasileiros têm mais probabilidade de lembrar da sua marca por conta do Pinterest: o que colabora fortemente com o seu Brand Awareness (consciência de marca).

Quando falamos de Twitter, temos cerca de 14 milhões de usuários no Brasil. O número pode até dar a sensação de não ser uma plataforma tão relevante, porém, há outro dado que impressiona: nosso país é o 4º mais engajado do mundo. Em média, os usuários passam 2 horas por dia na rede social.

Investir no Twitter pode até parecer algo novo para alguns empreendedores, mas 67% dos negócios B2B já usam a ferramenta como estratégia de marketing digital, sendo um ótimo local também para os B2C.

Para finalizar essa estratégia, fica o recado: é hora de diversificar e ser criativo! Como já é uma tendência que os usuários não fiquem mais apenas no Instagram e Facebook, é preciso que as marcas e os produtores de conteúdo também estejam presentes em outras redes sociais.

9. Não perca sua concorrência de vista

A agilidade é essencial! Comece a monitorar os seus concorrentes antes da Black Friday: veja o que eles estão fazendo e qual a comunicação usada no site, campanhas e anúncios. Antecipe essa análise para conseguir monitorar a concorrência e usar isso ao seu favor.

Mas, atenção! Não deixe que essa comparação te leve a fazer loucura, por isso, tenha muito claro em mente até onde você pode ir no jogo da precificação para não causar prejuízo.

Separamos algumas dicas de ferramentas para que você possa usar a tecnologia ao seu favor durante o monitoramento da concorrência. São elas: Google Shopping, Buscapé, Zoom e Boardfy.

10. Prepare-se para a Cyber Monday

A Black Friday não acontece apenas na sexta-feira, isso já é um fato. Assim como o Esquenta Black Friday vem antes do evento, a Cyber Monday chega logo depois, na segunda-feira. Essa ação vem crescendo mais a cada ano, assim como mostram os números de 2020 a seguir, por isso é preciso estar atento(a).

– R$ 702,7 milhões de faturamento (um aumento de 41,8% em relação a 2019)

– Ticket médio de R$462,13;

– Principais Regiões: Sudeste com R$420,20 milhões e Nordeste com R$112,7 milhões.

Apesar de muita gente comprar na Black Friday, muita gente também desiste de comprar, por isso, a Cyber Monday pode ser uma estratégia para recuperar as desistências das BF. Aproveite para trazer essas pessoas de volta ao seu site por meio de remarketing, redes sociais, e-mail marketing, campanhas pagas, etc.

Uma dica preciosa é acompanhar as tendências americanas. Apesar de ainda estar crescendo aqui no Brasil, a Cyber Monday já é muito difundida nos EUA, então ficar de olho no que as marcas de lá estão fazendo para aproveitar a data pode trazer ótimos insights para aplicar na sua empresa.

O que fazer agora?

Agora que você já conhece 10 Estratégias de marketing para o seu e-commerce, analise o que faz sentido para a sua Black Friday e comece já! Não desanime caso poucas delas estejam dentro da sua realidade, pois o que realmente importa é fazer, mas sempre seguindo os limites.

Mãos à obra e uma ótima Black Friday!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×